Teste

AURORA em São Paulo





Por: Tati Teixeira e Larissa Catharine

O Credicard Hall se tornou um refúgio mágico no último sábado (18), quando recebeu a passagem da Infections of a Different Kind Tour, da norueguesa AURORA.

Essa é a quinta apresentação de AURORA na cidade: Em sua primeira turnê pelo Brasil, All My Demons Tour, em 2017 foram dois shows lotados no Tropical Butantã. A cantora retornou ao país duas vezes no ano seguinte: Em Março, para substituir uma atração no Lollapalooza Brasil e em dezembro, para um pocket show para imprensa e fãs sorteados e agora, finalmente, retorna com sua nova turnê.


A primeira pessoa a entrar no palco lindamente decorado com enormes águas vivas suspensas foi Silja Sol, backing vocal de AURORA, que abriu a noite com cinco músicas de seu repertório. Tímida, mas muito carismática, a cantora trouxe uma energia de poderosa introspecção para o público com as faixas Aleine, Noe, Trærene, Ni Liv e Dyrene, todas em norueguês, que tinham seu significado brevemente explicado antes de seu início. Ela foi fortemente aplaudida ao final de sua apresentação.

Quando Silja e o restante da banda retornou ao palco com pouca iluminação, a recepção foi calorosa, mas apenas com a visão da pequena silhueta de AURORA que o público paulista mostrou toda sua força. O show se iniciou Soft Universe, o que de fato virou o ambiente depois que ela começou a cantar, um Universo leve.


Com uma atmosfera calma e envolvida por todo o carisma da cantora, que já chegou sorridente  e agradando os fãs, Aurora começou a cantar  Churchyard, o público olhava para ela com grande admiração enquanto ela mostrava que sua voz estava perfeita.


Em uma performance quase teatral, de uma Aurora que sentia cada palavra que saia de sua música a cantora cantou na sequência All Is Soft Inside e fez todo mundo cantar em coro com Home, todos foram transportados para um ambiente conduzido por Aurora, um mundo cheio de magia, meigo e sem sofrimento, tudo perfeito.



Ela falou algumas palavras em português, deixou todo mundo encantado e cantou Under The Water e Warriors, música que dá nome aos fãs de Aurora e que fez ela dizer " guerreiros e guerreiras" . Todo mundo dançou e cantou fortemente o single, foi de arrepiar.



Em seguida, em um acústico perfeito, que evidenciou a voz da Aurora, um dos momentos mais emocionantes do show, quando ela disse" agora vou cantar uma música horrível", era Murder Song. Levou alguns às lágrimas. Foi linda a energia que a cantora trocou com os fãs, não só nesse momento, mas também ao longo do show inteiro.



Para levantar delírio do público a jovem cantou Runaway, uma das mais conhecidas, foi lindo de ver todas as pessoas cantando alto. Depois In the Bottles e a recente The Seed, de letra muito forte, foi um grito de expressão pela " Mãe terra", como disse Aurora. Ótima oportunidade para todos que estavam ali se expressarem sua insatisfação com o capitalismo desenfreado junto com a cantora, " You cannot eat money, oh no".


O show seguiu com It Happened quiet e na sequência Animal que fez todo mundo pular e cantar, até os mais quietos dançaram com a alegre Aurora, não dá para ficar parado vendo tanta energia. Aurora coloca perfeitamente no palco absolutamente todos os sentimentos que suas músicas passam, a performance é indescritível. 


E então chuva de hits, I Went too far, Forgotten Love e Running with The Wolves embalaram o momento antes do "bis" , antes de Running with the wolves Aurora pegou os presentes dos fãs e foi mais um momento que ela esbanjou toda sua simpatia e amor pelos Warriors, ela disse que ama os fãs brasileiros e recolheu os presentes que eles levaram para eles. 

Assim ela saiu do palco e depois retornou com um discurso forte, cheio de potencia e emoção, com um Aurora quase chorando e dizendo que acredita que podemos mudar a trajetória do mundo, que estamos em um cenário onde sentimos depressão e ansiedade, ela deu a entender que podemos sim estar no maio do caos, mas temos uns aos outros e todos sentimos igual, cheia de uma esperança que é motivacional a norueguesa meiga cantou lindamente a lenta Infections of a Different Kind .

E não poderia faltar a clássica Queendom que encerrou em festa a noite mágica de todos que foram ao Credicard Hall ver a fada norueguesa que comove, move e muda o mundo com sua música. 

Setlist:
Soft Universe
Churchyard
All Is Soft Inside
Home
Under the Water
Warrior
Murder Song (5, 4, 3, 2, 1)
(acoustic)
Runaway
In Bottles
The Seed
It Happened Quiet
Animal
I Went Too Far
The River
Forgotten Love
Running With the Wolves

Encore:
Infections of a Different Kind

Queendom



Postar um comentário

0 Comentários